terça-feira, 28 de julho de 2009

Você que, desavisadamente,
como quem escorrega numa casca de banana e cai,
se encontra aqui, defronte a mim,
a mente e o coração vazios.

Sei o quanto isso te amola.
Sei também quanto teu tempo é precioso.
Mas espera um pouquinho.
O soneto já vai acabar.

Estamos entrando na reta final.
Viu como nada disso te faz mal ?
Creia em mim.

Estamos nos últimos momentos.
Não quero dizer coisa alguma
senão "muito obrigado, até nunca mais ".


Autor: Rogério Skylab

Nenhum comentário: