domingo, 7 de fevereiro de 2010

IF (es)

Zuleika dos Reis 


Se não te conferires
- de preferência ainda nesta vida


para não te pores a aguardar
ad infinitum
aquela certidão

passada em cartório
com assinatura de Deus
e firma reconhecida

a mesma que o Vinícius
não teve permissão para trazer 

ao amigo Sérgio Buarque de Holanda
(segundo testemunho de fonte
talvez apócrifa)
um simulacro de identidade
seja lá de quê ou de quem
jamais deixarás de ser
mero poema anacrônico
e pior, anônimo.
Oh, meu filho
ou filha,( se neste momento
consegues crer, ao menos,
pertenceres tu
ao sexo feminino
ainda que
apenas do ponto de vista linguístico)
-virtual, se preferires,
para estarmos up-to-date.

Nenhum comentário: