segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O amor não conhece virtudes, não conhece mérito, a tudo perdoa e tudo suporta, porque o deve; nem pelo juízo somos guiados, nem pelas preferências nem pelos erros, que descobrimos, provocam nossa abnegação ou nos retraem. É um poder doce, melancólico, secreto, que nos impele, e acabamos por pensar, experimentar, querer, deixamos que nos atraia sem peguntar "para onde?".

Sacher-Masoch, in A Vênus das Peles.

Nenhum comentário: