quinta-feira, 26 de maio de 2011

De fato nos últimos tempos, Tuda não passava nada bem.
Ora sentia uma inquientação sem nome, ora uma calma exagerada e repentina. Tinha frequentemente vontade de chorar, e o que em geral se reduzia à vontade apenas, como se a crise se completasse no desejo. Uns dias, cheia de tédio, enervada e triste. Outros, lânguida como uma gata, embriagando-se com os menores acontecimentos. Uma folha caindo, um grito, um grito de criança e pensava: mais um momento e não suportei tanta felicidade. E realmente não suportava, embora não soubesse prorpriamente em que consistia essa felicidade. Caía num choro abafado, aliviando-se com a impressão confusa de que se entregava, a não sei quem e não sei de que forma.

Clarice Lispector in A Bela E A Fera

2 comentários:

Vanessa disse...

Gostei tanto da postagem da nádia que resolvi postar nova dose Clarisse.

Aleska disse...

No fim ela estava entediada com a própria felicidade?